,

O que é uma fintech de investimento?

O que é uma fintech de investimento?

O que é uma fintech de investimento?

Uma fintech de investimento é uma empresa que usa a tecnologia para proporcionar investimentos mais rentáveis e menos burocráticos. Estes investimentos podem ser atrelados ao mercado financeiro, imobiliário, câmbio ou criptomoedas.

Estas empresas se utilizam do uso intensivo de tecnologia para simplificar o processo e dessa maneira reduzir os custos envolvidos neste tipo de operação, permitindo repassar uma maior rentabilidade aos investidores. Isso não significa que não estejam reguladas pelos dois principais órgãos reguladores do mercado financeiro brasileiro, o Banco Central (BACEN) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

As fintechs de investimento estão sempre procurando maneiras de fazer o investimento ser mais transparente para o investidor. Buscando abrir todas as variáveis que influenciam o investimento. O que isso tem de diferente do sistema financeiro tradicional? Geralmente a simplicidade e a transparência. Fazem isto de uma maneira muito especifica, cada uma se especializa em uma área dos investimentos, enquanto as instituições financeiras tradicionais buscam cada vez mais aumentar o leque de opções de investimento para os seus clientes. Esta diferença faz com que as fintechs saiam na frente e consigam entregar cada vez uma experiência de uso mais agradável e com melhor rentabilidade.

Pense na última vez que abriu uma conta num banco ou numa corretora. Você provavelmente teve que ir até uma agência, entregou um monte de documentos e assinou uma quantidade enorme de contratos. Depois que você abriu a conta quantas vezes teve que ligar para o gerente ou ir na agência para conseguir alguma informação ou realizar uma operação? É justamente este processo caro, burocrático e que toma muito tempo que as fintechs de investimento estão resolvendo e permitindo que tudo isso seja realizado via celular, tablet ou computador. De qualquer lugar do planeta e na hora mais conveniente para você.

Voltando ao tema da regulação, que é muito importante porque é o que fará que você tenha segurança de que seu dinheiro não corre perigo. Isso quer dizer que no banco eu tenho mais segurança do que nas fintechs? Não. Tanto bancos como as fintechs seguem as regras impostas pelos reguladores, mas os bancos possuem muito mais regras a seguir por ser instituições que oferecem centenas de produtos.

O Brasil é um dos países que saiu na frente e buscou entender o que estas empresas podem trazer de vantagem para o cliente e começou a criar regulações para permitir que elas operem sem oferecer grandes riscos para os investidores. A CVM regulamentou o investimento coletivo ou crowdfunding de investimento em julho de 2017 via a instrução CVM 588, depois de aproximadamente 2 anos de conversa com as 4 plataformas que estavam em operação no Brasil. O URBE.ME (crowdfunding imobiliário) e Broota, EqSeed e StartMeUp (crowdfunding de startups). A regra permitiu que as plataformas passem a ter uma maior agilidade no processo. Já o BACEN vem em 2017 editando consultas públicas buscando regular as fintechs de empréstimo ou Pear-to-Pear Lending, assim como as de meio de pagamento.

As fintechs de investimento ao oferecer o seus serviços também estão ajudando a melhorar a economia. Como? Assim como ela oferece rentabilidades maiores para os investidores, oferece taxas menores aos tomadores. Assim quem precisa do dinheiro para executar um plano (no caso de uma empresa) ou adquirir um bem (no caso de uma pessoa) consegue que o dinheiro seja mais em conta, permitindo que seja mais viável a execução do objetivo. Desta maneira, movimentando a economia ainda mais.

Caso tenha interesse em entender mais sobre fintechs e o que elas fazem, você pode ler os seguintes textos:

O que é uma fintech?

Equity crowdfunding: como isso pode influenciar pequenos negócios?

4 tendências no crowdfunding imobiliário que você deveria saber

Educação financeira: uma entrevista com Lucas Montano, da Planejei